A Agnes Arabela gosta bastante de ser falada e de estar no centro da polémica. O assunto mais falado dos últimos tempos tem sido os refugiados ainda mais quando surgiu nas redes sociais a fotografia de uma criança síria morta junto ao mar.

Com isto, parece que a Europa se juntou e quer acolher bastantes refugiados, contudo as opiniões divergem bastante. Para umas pessoas isto significa que querem conquistar a Europa, já para outros estas famílias querem apenas ter onde dormir juntamente com os filhos.

A romena, ex-concorrente da Casa dos Segredos 5 já veio publicamente oferecer a sua casa para acolher vários emigrantes. Veja a publicação que Agnes colocou na sua página oficial no Facebook:

“Veio por esse meio informar que a minha casa representa a partir desde momento um abrigo aberto para um máximo de 100 pessoas que se encontram nesta situação de emergência .
A casa tem um espaço de 4 hectares , várias salas e divisões , precisa ajustes mas está habitável . A única condição é a manutenção como também das plantas, jardins e o bem estar de todos . A prioridade são as famílias com crianças , não garanto conseguir trabalho para eles, como também espero haver compreensão da parte dos vizinhos , mas é um começo , vamos tentar fazer a diferença para essas vidas que precisam desesperadamente de ajuda .
Peço às pessoas encarregadas para entrarem em contacto connosco .
“A maior crise de refugiados depois da II Grande Guerra
LISBOA, 4 setembro de 2015 (CPR) – Há um velho provérbio que diz que uma imagem vale por mil palavras mas, nos tempos que correm, há uma imagem que pode valer por 1000 refugiados que morrem no Mediterrâneo e que ontem correu mundo: a de uma criança síria, de 3 anos, que deu à costa… O Mar Mediterrâneo, o grande fosso da Fortaleza Europeia, é um cemitério permanente de pessoas e a coroa de flores que ilustra esta página já foi aqui por diversas vezes afixada, em momentos igualmente dramáticos, a primeira vez quando ao largo de Lampedusa (Mares da Sicília, Itália) morreram mais de 300 seres humanos numa embarcação incendiada. É um momento de luto, pelas mais de 2.000 pessoas que, só este ano, pereceram no Mediterrâneo, mas deverá ser sobretudo um momento de reflexão para exigirmos com firmeza uma resposta mais rápida e proativa de acordo com os valores humanistas europeus, em particular dos 28 países que formam a União Europeia.”

UM BEM – HAJA para todos nós e com Deus na frente”

agnesrefugiados